Carro bate em poste em Itapetinga

Um motorista perdeu o controle da direção do carro e bateu em um poste de concreto na Rua Pôr do Sol, no Bairro Clerolândia, em Itapetinga. O acidente aconteceu no fim da tarde desta terça-feira, 28 de novembro, em frente ao Colégio Paulo Hagge, antigo CAIC. A colisão ocorreu por volta das 16 horas. De … Leia Mais


Ministério vai destinar R$ 1 bi para o Fies

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) vai receber, pela primeira vez, investimento dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento, que são responsabilidade do Ministério da Integração Nacional. O valor total repassado será de cerca de R$ 1 bilhão a partir do próximo semestre, que, de acordo com o Ministério da Integração, serão distribuídos de maneira distinta … Leia Mais


App de namoro: 13% dos usuários liberam dados pessoais em minutos de conversa

Uma pesquisa da Kaspersky Lab com internautas de 32 países aponta que 13% das pessoas que usam aplicativos de namoro online como Tinder, Happn e outros costumam revelar informações sensíveis — como nome completo, perfis de redes sociais ou endereços residenciais e de trabalho — após conversarem online com outros usuários por apenas poucos minutos. Além disso, o estudo constatou que … Leia Mais


Escola Aplicação realiza ação social contra o câncer de mama em Itapetinga

Alunos e professores da Escola Aplicação, localizada na Rua Salvador,  no Bairro Camacã, em Itapetinga, na região Sudoeste da Bahia, foram às ruas na manhã deste sábado, dia 28 de outubro. A referida escola oferece curso técnico em enfermagem para pessoas de Itapetinga e municípios da região e, assim como outros órgãos importantes da capital … Leia Mais


Febraban adia permissão de pagamento de boleto vencido em qualquer banco

Foi adiada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para o ano que vem a implementação da segunda fase de uma plataforma que permitirá que boletos vencidos com valores até R$ 2 mil sejam pagos em qualquer banco. Inicialmente, a liberação passaria a valer nesta segunda (9).

O pagamento de contas atrasadas em qualquer banco é uma facilidade para o consumidor da chamada Nova Plataforma de Cobranças, ferramenta desenvolvida pelos bancos para diminuir o número de fraudes cometidas com boletos.

“A Nova Plataforma de Cobrança traz benefícios para o consumidor e para a sociedade, como maior segurança, facilidade no pagamento de boletos vencidos, além de evitar o envio de boletos não autorizados”, afirma Walter Tadeu de Faria, diretor-adjunto de Negócios e Operações da Febraban. (BN)

 


“Negro em geral é catinguento, fede demais”, diz promotor de Justiça

O promotor de Justiça Avelino Grota, do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), usou o grupo “MP-SP Livre” para falar de pobres, negros, babás e feios. “Quanto ao pobre, coitado, nasce feio e morrerá feio porque não tem dinheiro nem para comer direito”, escreveu. O texto foi postado entre os dias 25 e 26 de agosto. Nele, Avelino ‘convida à reflexão’.

Ao jornal Estadão, ele afirmou que suas mensagens são ‘ironias’ contra a decisão judicial que arquivou investigação sobre a exigência de clubes paulistanos para que as babás usem uniforme branco.

“E negro, como todos sabem, tem o péssimo costume de não dar muita atenção à higiene – tanto do corpo quanto da roupa.” Para Avelino, então, ‘o uso da roupa branca pelas babás é uma solução muito adequada’.

O promotor enumerou. “Em primeiro lugar, o branco é a cor da pureza, e, ao usar roupa branca, a babá, que é feia, se transforma, ficando um pouquinho menos feia – porque pureza não combina com feiura e, assim, passamos a dar mais atenção ao puro branco da roupa do que à feiura de quem a veste.”

“Em segundo lugar, roupa branca é a que suja com mais facilidade, e, desse modo, o patrão da babá verá mais nitidamente se a empregada está ou não limpa – e, se não estiver, ordenará imediata troca de roupa, precedida, é claro, de um banho, o que tornará a babá menos fedentina. Em terceiro lugar, roupa branca esquenta menos; portanto, a babá suará menos; por conseguinte, federá menos.”

Segundo a publicação, o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Smanio – chefe do Ministério Público paulista – mandou abrir um procedimento para investigar a fala do promotor.

Leia o texto dele:
“Domingos convidam à reflexão, e, como não tinha muito o que fazer aqui em casa – e trabalhar estava fora de cogitação -, passei a meditar sobre a questão das babás e das roupas brancas que os clubes dos paulistanos ricos exigem dessas profissionais. Analisei, ponderei e cheguei a algumas conclusões. Vamos a elas. Pobre, em regra, é feio; babá, em regra, é pobre; logo, babá, em regra, é feia.

Atentem que disse “em regra”, porque, devemos admitir, há pobre bonito; mas, visivelmente, isso é uma exceção.

Já rico, se não nasce bonito, fica bonito com o tempo, porque o dinheiro ajuda ao menos a corrigir alguns defeitos de nascença e os avanços médicos nessa área são notáveis. Quanto ao pobre, coitado, nasce feio e morrerá feio, porque não tem dinheiro suficiente nem para comer direito, que dirá para suplantar as várias imperfeições que, unidas, formam e conformam a feiura.

Aliás, pobre não tem dinheiro sequer para se vestir direito, e suas roupas, assim, são também feias, o que agrava a situação estética de quem as usa.

Pobre, ademais – e isso é notório -, costuma ser negro.

Negro no sentido lato da classificação, o que inclui, além de que é preto, o vasto contingente de pardos, dos mais clarinhos aos mais escurinhos.

E negro, como todos sabem, tem o péssimo costume de não dar muita atenção à higiene – tanto do corpo quanto da roupa.

Não se pode também deixar de registrar que a cor branca reflete o calor do sol, em vez de absorvê-lo.

É por isso que negro, em geral, é catinguento, porque sua muito e, não tomando a quantidade diária certa de banhos, acaba fedendo mais do que o recomendável.

Daí porque o uso da roupa branca pelas babás é uma solução muito adequada.

Em primeiro lugar, o branco é a cor da pureza, e, ao usar roupa branca, a babá, que é feia, se transforma, ficando um pouquinho menos feia – porque pureza não combina com feiura e, assim, passamos a dar mais atenção ao puro branco da roupa do que à feiura de quem a veste.

Em segundo lugar, roupa branca é a que suja com mais facilidade, e, desse modo, o patrão da babá verá mais nitidamente se a empregada está ou não limpa – e, se não estiver, ordenará imediata troca de roupa, precedida, é claro, de um banho, o que tornará a babá menos fedentina.

Em terceiro lugar, roupa branca esquenta menos; portanto, a babá suará menos; por conseguinte, federá menos.

Em quarto lugar, como geralmente repugna ao bonito dar de cara com o feio, o uso de roupa branca permitirá aos mais sensíveis desviar-se a tempo do caminho, evitando encarar a feia criatura que verga o traje branco.

Em quinto e último lugar, a roupa branco também serve para que os novos capitães-do-mato, que nos clubes de ricos, são chamados de seguranças (e, mesmo sendo, em regra, negros, usam roupas pretas), possam ficar de olho nas babás, não para fins libidinosos, como é próprio dessa gente, mas para cuidar de que elas não se sentem em lugares proibidos a babás, não entrem em lugares vedados a babás e mesmo não comam e não bebam comidinhas e bebidinhas que babás não podem e não devem comer e beber.

Sei que minhas reflexões podem não ter alcançados todo o espectro do problema – afinal, domingo também clama pelo ócio e pela preguiça mental -, tanto que, consultados alguns colegas, não encontrei ninguém que com elas concordasse, e, ainda que viesse a entrevistar um por um todos os promotores e procuradores, estou certo de que não acharia ninguém que desse razão a este pensador dominical.

Estou tão convicto, no entanto, da justeza de minhas ponderações e conclusões que não poderia deixa-las apenas em minha cachola, motivo único de compartilhá-las aqui no grupo.

Dito isso, e esperando ter contribuído para o regozijo geral, vamos à feijoada domingueira, que ninguém é de ferro.

Ao jornal, o promotor disse que o texto é “ácido, sarcástico, irônico”. “Eu procuro fazer uma crítica aos que, de alguma maneira, defendem a obrigatoriedade do uniforme branco, como expressão de preconceito racial ou racismo. Tenho 26 anos de Ministério Público. Ainda este mês devo ser promovido a procurador. Há quatro anos atuo perante o Tribunal de Justiça, designado na Procuradoria Criminal”, explica.


Outubro Rosa? Estão fazendo a coisa certa?

Foto: ilustrativa

Como se sabe dia 19 de outubro é marcado como o Dia Internacional do Câncer de Mama, data que relembra a importância da prevenção da doença, sendo esse evento chamado em todo o mundo de “Outubro Rosa”, uma campanha para disseminar informações sobre o tema, inclusive com o apoio de organismos internacionais, entre os quais, a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer.

A campanha do “Outubro Rosa” é desencadeada pelo Ministério da Saúde, implementada pelos municípios brasileiros, com objetivo de conscientizar às mulheres e a sociedade a respeito da importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Em Itapetinga, a data foi lembrada com uma forte campanha de conscientização, e que contou com a adesão de importantes setores de nossa sociedade.

Diagnosticada a patologia, segundo o Art. 1º da Lei 12.732/2012, o paciente com neoplasia maligna comprovada, independente do câncer, receberá, gratuitamente, no Sistema Único de Saúde (SUS), todos os tratamentos necessários, e a partir daí, a lei estabelece o prazo de 60 dias para que seja iniciado efetivamente o tratamento, por meio de cirurgia, radioterapia ou quimioterapia. Seja qual for o tipo de câncer 60 dias é considerado limite, para se começar os procedimentos, providência que se não for adotada, nesse interregno, no caso de câncer de mama, a paciente corre sérios riscos de não sobreviver.

Ocorre que, já algum tempo, o sistema público do País, enfrenta forte crise, que é apontada pelos especialistas do setor como resultado da má gestão dos recursos destinados ao atendimento das demandadas, associado à falta de planejamento e fiscalização das verbas aplicadas, que se perdem pelos gargalos da endêmica corrupção que a decênios vem infligindo à sociedade brasileira, mas que nos últimos dias tem atingido proporções inimagináveis, fazendo sacudir os alicerces da república.

Todavia, se revelam de pouca eficácia, campanhas de tal magnitude, se não existir uma organização em rede que propicie o acesso da população a serviços que auxiliem na prevenção e detecção precoce do câncer. Como o tratamento contra o câncer é considerado de alta complexidade, poucos municípios brasileiros têm estruturas em suas secretarias de saúde, que garantam as mulheres diagnosticadas com a doença, o tratamento no tempo previsto em lei. E salvo melhor juízo, o sistema de saúde do nosso município ainda não está conectado a essa rede.

É induvidoso o alcance da mobilização feita pelas autoridades de saúde de todos os níveis de governo, notadamente em Itapetinga, no sentido de alertar à população, a respeito do diagnostico precoce do câncer. Afinal, a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação (Art. 196 da Constituição Federal), nem sempre proporcionado à população.

Todavia, em que pese o sucesso da mobilização encetada pelas autoridades públicas, em nossa cidade, algumas indagações nos inquietam a todos e necessitam de melhores esclarecimentos, não só às mulheres, mas a todos os usuários dos serviços públicos de saúde, onde as mazelas são mais visíveis. Por exemplo:

A Secretaria de Saúde do Município de Itapetinga está estruturada para oferecer o atendimento necessário à mulher quando ela é diagnosticada com a patologia? E o início do tratamento é feito no prazo estabelecido em lei? Existem profissionais especialistas (oncologistas) contratados para fazer a abordagem da doença? Como é tratamento de alta complexidade, as pacientes recebem assistência integral, até o final? É multidisciplinar? – isso porque, existem pessoas acometidas pela doença que vivem em situação de vulnerabilidade social – e muitos interrompem o tratamento por razões eminentemente existenciais, realidade pouca conhecida porque a abordagem é incompleta.

O sistema de saúde local está inserido às Unidades e Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia, chamados de Unacons e Cacons, respectivamente? – só a guisa de informação: o primeiro núcleo está capacitado para o atendimento dos cânceres mais prevalentes e o segundo para todos os tipos de câncer.

Se todas essas perguntas forem respondidas satisfatoriamente, Itapetinga pode se vangloriar do fato de sua Secretaria de Saúde está desenvolvendo um eficiente serviço público à população, de modo especial às mulheres, que na maioria das vezes, sofre discriminação, por ser portadora de câncer de mama, que, se não for iniciado tratamento em tempo hábil, pode leva-la à morte.

Cada ano mais de 12, 7 milhões de pessoas no mundo são diagnosticadas com câncer, dessas, 7,6 milhões de pessoas morrem vítimas dessa doença? No Brasil, somente para este ano, são esperados quase 500 mil novos casos da doença. Essa estatística precisa ser mudada.

Por: Juraci Nunes de Oliveira – Advogado, radialista e ex-presidente da Câmara de Vereadores de Itapetinga.


7 segredos para ganhar dinheiro com o Google Adsense em seu Blog

8-Estratégias-Para-Ganhar-Dinheiro-Com-O-Google-Adsense

1. Escolha um bom nicho

Nem todo nicho é fácil de ganhar dinheiro com Google Adsense. Os melhores nichos são aqueles que possuem muitas visitas (quanto mais, melhor), alta concorrência por parte dos anunciantes e altos valores pagos por esses anunciantes.

Como o Google Adsense paga para o blogueiro um percentual dos cliques obtidos, quanto mais visitantes, mais cliques. E quanto mais anunciantes e mais alto o valor do clique, mais dinheiro.

2. Produza conteúdo relevante

Uma vez que escolheu um bom nicho, você precisa produzir conteúdo relevante. Isso é imprescindível para atrair visitantes para o seu site e gerar milhares de cliques.

A relevância do conteúdo é definida pelo público e você pode mesclar diferentes formatos, como texto, imagens, áudio, vídeos e apresentações. A produção pode ser feita por você mesmo, por uma equipe de colunistas ou terceirizada com free lancers, por exemplo.

3. Atraia visitantes para o seu site

Uma vez com conteúdo relevante produzido, é hora de atrair o público. Os visitantes é que irão clicar nos seus anúncios e gerar receita para o seu blog.

As principais formas de atrair visitantes são busca orgânica (proveniente do Google, Bing e Yahoo!), redes sociais (especialmente Facebook, Twitter e LinkedIn) e outros blogs. (mais…)